MÃOS QUE TRABALHAM

                             Valdyce Ribeiro

Ilustração: Nestor Peres

 

     Mãos que trabalham na terra

     para colher nosso pão

     Mãos que trabalham na guerra

     para defender a nação

     Mãos que salvam vidas

     e na morte estendem as mãos

     Mãos que levam mensagens

     de alegria ou tristeza

     Mãos que se unem

    para construir em mutirão

    Mãos que tocam, aplaudem

    pintam e bordam

    Mãos que escrevem

    o infinito trabalho das mãos...

 

 

 

 

 

 



Escrito por Dyce às 11h28
[] [envie esta mensagem] []



"POÉTICA"

              Valdyce Ribeiro

DIÁRIO

Na minha vida diária / escrevo nas entrelinhas / pulo linhas / ultrapasso margens...

 

 

 



Categoria: Citação
Escrito por Dyce às 11h13
[] [envie esta mensagem] []



Foto: Estação da Luz - SP  por Maycon Silva Lima

           ENTRE OS VÃOS

                                  Valdyce Ribeiro

 

           Fecham-se as portas

           levo o silêncio kafkiano

           levo o inseto

           Corres pela plataforma

           a acompanhar o comboio

           que se movimenta

           Aparecem ruas infectas

           outros vagões

           outros lugares

           entramos por construções

           que ainda espiram tinta

           passamos pelo atleta pétreo

           a repousar pudicamente

           nos perdemos

           no meio da multidão

           do movimento

          derramamos o pranto

          mão sobre o peito

          sabemos da distância

 



Escrito por Dyce às 23h47
[] [envie esta mensagem] []



"Fragmento Poético"

                              Valdyce Ribeiro

Risquei do mapa da vida distâncias imaginárias e geográficas...



Categoria: Citação
Escrito por Dyce às 18h57
[] [envie esta mensagem] []



 

 

Ilustração: Cazarré

                 MARCAS

                            Valdyce Ribeiro

              Cada passo deixa sua marca

              para registrar a passagem

              numa calçada imperceptível

              cujo cimento fresco

              é sempre virgem

              Marcou presença

              esteve ali

              como um beijo carmesim

              numa branca camisa de seda!

 



Escrito por Dyce às 08h02
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, Portuguese, Spanish, Livros, Arte e cultura, *Autora de Livros de Poesias e Crônicas


Histórico
Categorias
Todas as mensagens
Evento
Citação


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
DYCE-POESIAS
PHOTOPOÉTICA-FLICKR
PASSEIO PAULISTANO
FOTOS BEGOÑA CASADO
BIBLIOTECA DA GALÍCIA - ESPANHA
JORNAL DAS LAJES - PÍLULAS INDIGESTAS
AEL - Academia Estudantil de Letras
POESIAS - MIRIAN WARTTUSCH
TWITTER TOM SIMÕES
TOM SIMÕES CRIAR UM BLOG
Twitter - José Venâncio Resende